História

CRIACIONISMO NO BRASIL - PASSADO, PRESENTE E FUTURO

SOB O PANO DE FUNDO DO “CONFLITO DOS SÉCULOS”

 

Com a finalidade de esclarecer sua origem e seus propósitos a possíveis interessados em suas atividades, bem como apresentar um resumo do trabalho que vem desenvolvendo desde a sua fundação, a Sociedade Criacionista Brasileira apresenta este apanhado geral com informações sucintas sobre o seu desenvolvimento e relacionamento com entidades congêneres e pessoas que lhe têm dado valioso apoio.

 


INTRODUÇÃO

 

Cabe esclarecer, inicialmente, que o moderno movimento criacionista ao qual a SCB se integra tem como fundamentação o retorno à estrutura conceitual aceita no mundo ocidental desde os primórdios da ciência moderna pelos grandes vultos que se destacaram no seu impressionante desenvolvimento. Essa estrutura conceitual aceitava que o Universo fora criado por desígnio e propósito do Deus revelado nas Escrituras e que, por sua coerência, também ele poderia ser estudado metodologicamente para revelar as maravilhas do planejamento desse Deus Criador.

Como exemplo emblemático da posição adotada pelos pesquisadores nesses primórdios da ciência moderna, pode ser citado Sir Isaac Newton, que na sua primeira carta dirigida a Richard Bentley, ao tratar do Sistema Solar, enfatizava que “os movimentos que têm os planetas hoje não poderiam originar-se de alguma causa natural isolada, mas foram impostos por um agente inteligente”. Newton, em outros escritos, também deixa clara sua viva fé em um Deus Criador, ao qual frequentemente se referia usando a expressão “Pantokrator” (Todo-poderoso), “com autoridade sobre todas as coisas existentes, sobre a forma do mundo natural e o curso da história humana”.

Ressalta-se, ainda, o fato de que Newton, ao mesmo tempo em que investigava o Universo físico sob a estrutura conceitual criacionista, também despendia tempo no estudo das profecias bíblicas, tendo escrito seu livro “Observações sobre as Profecias de Daniel e o Apocalipse” em 1733. Para ele, eram perfeitamente compatíveis o “livro da natureza” e o livro da revelação de Deus – a Bíblia.

É preciso ressaltar, então, que a SCB aceita o que se poderia chamar de “Criacionismo Bíblico” como estrutura conceitual dentro da qual se desenvolvem suas atividades de investigação e disseminação das teses criacionistas referentes às origens do Universo em toda a sua abrangência.

Em face das considerações acima, a SCB opõe-se à denominação de “Criacionismo Científico” em sua contraposição ao Evolucionismo, pois entende que tanto o Criacionismo quanto o Evolucionismo não constituem Ciência propriamente dita, mas são estruturas conceituais, cosmovisões ou visões de mundo que partem de pressuposições no âmbito filosófico para o desenvolvimento de suas respectivas teses referentes às origens do Universo. Assim, no campo de suas respectivas estruturas conceituais, na realidade ambos fazem apenas interpretações dos dados colhidos e tratados pelo método científico, sem estarem desenvolvendo atividades que poderiam verdadeiramente ser chamadas de científicas.

Por outro lado, a SCB reconhece que as próprias atividades científicas e os dados que delas derivam poderão estar sendo influenciados (às vezes até inconscientemente) pelas pressuposições adotadas na respectiva estrutura conceitual aceita preliminarmente.

O movimento criacionista moderno historicamente surge em contraposição ao Evolucionismo a partir da exacerbação das teses naturalistas, isto é, a partir da época em que se pretendeu estudar a natureza deixando de lado o aspecto sobrenatural nela embutido. É difícil fixar datas que caracterizem o início dessa reação ao status quo anteriormente existente. Entretanto, certamente o lançamento do livro de Charles Darwin “A Origem das Espécies” em 1859 não deixa de ser emblemático nesse contexto.

 

Darwin aos 51 anos (à esquerda), na época da publicação da 1ª edição de A Origem das Espécies (1859)

 

A propósito, Darwin, no Prefácio de “A Origem das Espécies” declara:

“Depois de cinco anos de um trabalho pertinaz, redigi algumas notas; em seguida, em 1844, resumi estas notas em forma de memória, onde indicava os resultados que me pareciam oferecer algum grau de probabilidade.”

Essa declaração de Darwin não deixa de ser impressionante para os estudiosos das profecias bíblicas que se deparam com uma cadeia profética que engloba as “Setenta semanas” e as “2.300 tardes e manhãs” do livro de Daniel (Daniel 9:24-27 e 8:14) em conexão com a “mensagem do primeiro anjo” do livro de Apocalipse, que aponta a mesma data de 1844 como início da pregação do “Evangelho Eterno” nos tempos modernos, culminando com o chamado para a adoração dAquele que fez “os céus, a terra, o mar e as fontes das águas” (Apocalipse 14:6-7)!

Em síntese, quando deveria surgir o movimento criacionista moderno dando glória ao Criador, surge também a sua contrafação no movimento evolucionista ateísta que tomou corpo particularmente com a pregação darwinista a partir de meados do século XIX, tornando-se praticamente hegemônico no século XX.

É por essa razão que a SCB aborda aqui o passado, o presente e o futuro do Criacionismo, de maneira geral, sob o pano de fundo daquilo que se poderia chamar de “Conflito dos Séculos”, isto é, uma visão bíblica transcendental que tem a ver com a história da origem perfeita de todas as coisas, inclusive a vida, planejadas em conformidade com os desígnios e propósitos do Criador, um período de degradação da perfeição original em virtude da rebeldia dos seres criados, e finalmente a restauração de todas as coisas à perfeição original planejada pelo Criador. Esclarecimentos adicionais sobre essa visão de mundo poderão ser obtidos nos livros publicados pela Casa Publicadora Brasileira, editora dos Adventistas do Sétimo Dia, na coleção intitulada “Série ‘O Grande Conflito’ ”.


MARCOS CIENTÍFICOS NA CONTROVÉRSIA CRIAÇÃO X EVOLUÇÃO

 

Na realidade, a partir do final do século XVIII, o caminho já vinha sendo preparado de ambos os lados da controvérsia entre Evolução e Criação. Realmente, ideias evolucionistas já vinham sendo discutidas no mundo acadêmico com o lançamento dos livros de James Hutton e Charles Lyell na Geologia, e Jean Baptiste de Lamarck e Robert Chambers na Biologia.

 

 

E também já vinham sendo estudadas com mais profundidade no mundo religioso as revelações proféticas encontradas nos livros de Daniel e do Apocalipse desde o movimento de Guilherme Miller (1831) que foi o embrião do movimento adventista do sétimo dia, que deu maior destaque para o sábado como “Memorial da Criação”.

 

 

Não é de admirar, então, que os pioneiros do movimento criacionista moderno estivessem intimamente ligados ao movimento profético que passou a proclamar aquela mensagem de adoração ao Criador.

De fato, é nesse contexto que surge o primeiro criacionista moderno, George Mcready Price, adventista norte-americano que em 1906 publicou seu livro “Illogical Geology” defendendo a visão diluvialista e catastrofista da Geologia, contrapondo-se à visão uniformista de Hutton e Lyell.

 

George Mcready Price e seu livro “Illogical Geology” (1906)


A FUNDAÇÃO DAS PRIMEIRAS SOCIEDADES CRIACIONISTAS

 

Paralelamente ao início das atividades de Price em oposição à crescente adoção dos pontos de vista evolucionistas no sistema educacional e na mídia formadora de opinião nos EUA, também na Inglaterra se verificou reação idêntica, culminando na criação do Evolution Protest Movement em 1932, com a participação do conhecido Sir John Ambrose Fleming.

Nos EUA, George Mcready Price publicou vários livros e associou-se a outros defensores do Criacionismo Bíblico – Byron Nelson e Dudley Joseph Whitney – para fundar a Religion Science Association em 1935.

Em 1938, George Mcready Price separa-se da Religion Science Association e, juntamente com Ben Allen, funda a Creation-Deluge Society.

A partir de 1939, com o início da Segunda Guerra Mundial, todos os esforços nos EUA e na Inglaterra são desviados para as atividades bélicas, e nesse período se destacam somente a fundação da American Scientific Affiliation nos EUA, entidade voltada para uma tentativa de conciliação entre Criacionismo Bíblico e Evolucionismo, fundada em 1941, e também nos EUA a fundação do Moody Institute of Science em 1945, a qual, sob a direção de Irwin A. Moon, iniciou a produção da série de filmes coloridos intitulada Sermons from Science que, sem dúvida, marcaram época como excelente material audiovisual que substituiu os antigos filmstrips, e que até hoje ainda pode ser utilizado para a abordagem de numerosos fatos e fenômenos da maravilhosa criação de Deus sob o aspecto científico.

A fundação dessas primeiras Sociedades Criacionistas decorreu, em parte, do recrudescimento dos ataques ao movimento criacionista após o célebre “Processo Scopes”, mais conhecido como o “Julgamento do Macaco”, ocorrido em Dayton, Tennessee, em 1925.

Nesse julgamento, cuja verdadeira história foi mascarada pela peça teatral que foi composta a seu respeito e pelo filme que mais modernamente foi lançado para denegrir a posição criacionista, enfrentam-se duas personalidades norte-americanas – o advogado Clarence Darrow e o conhecido político William Jennings Bryan.

Ambos se confrontaram no julgamento de um professor acusado de ter infringido a lei estadual que proibia o ensino do Evolucionismo nas escolas do Tennessee. Darrow defendeu o jovem professor Scopes, e Bryan defendeu a aplicação da lei. O processo tornou-se um caso midiático nacional (sob a influência do nascente desenvolvimento das programações radiofônicas) influindo até hoje nas posições jurídicas da Suprema Corte norte-americana quanto a legislações específicas posteriores ironicamente relacionadas com a proibição do ensino do Criacionismo em salas de aula nas escolas públicas nos EUA.

 

Darrow e Bryan no Tribunal em Dayton, durante o julgamento de Scopes

 

No confronto entre o Criacionismo e o Evolucionismo no decorrer do século XX, além do “Julgamento do Macaco”, destacou-se em particular outro importante fato – o estabelecimento de novos currículos escolares para Ciências nos EUA, com o forte apoio financeiro da National Science Foundation.

Essa iniciativa foi uma decorrência direta da chamada “Guerra Fria” entre os EUA e a União Soviética, após o trauma causado pelo lançamento do Sputnik, veículo espacial soviético que feriu os brios nacionais americanos.

A culpa da inferioridade americana na “corrida espacial” foi lançada sobre a defasagem dos currículos escolares, e foram então tomadas medidas para possibilitar a recuperação do suposto atraso do sistema educacional americano relativamente ao sistema soviético, mediante a elaboração de novas diretrizes curriculares, especialmente nas áreas básicas de Matemática, Física, Química e Biologia. Assim, a partir de 1958 surgiram os novos currículos nos EUA, nos quais se verifica objetivamente um forte viés evolucionista decorrente da crescente influência do naturalismo e do secularismo que aos poucos se introduziram na sociedade americana, particularmente após a II Guerra Mundial!

 

Coleção dos livros da SCIENCE EDUCATION CURRICULUM STUDY

 

O lançamento dessa coleção de novos currículos para as escolas americanas teve reflexos no Brasil, com a tradução dos novos livros didáticos e sua ampla disseminação, efetuadas com o apoio de programas governamentais. Dentre os vários livros dessa coleção, destacaram-se, sem dúvida, os lançados nos EUA a partir de 1961, referentes à Biologia, nos quais a abordagem é exclusivamente evolucionista.

Foram assim lançadas as raízes da hegemonia evolucionista também no sistema educacional brasileiro, com a adesão silenciosa da sociedade ao naturalismo e secularismo, refletida nas instituições de ensino superior e, portanto, na ideologia dos professores por elas formados a partir da disponibilização do novo material didático inicialmente produzido nos EUA. Esse material didático mostrou-se apropriado à lavagem cerebral evolucionista de estudantes indefesos, que nunca tiveram acesso à bibliografia criacionista e nem sequer às críticas feitas imparcialmente quanto à fragilidade da posição evolucionista.

 

Exemplar de um dos livros de Biologia editado no Brasil no início da década de 1970

 

Em face desse crescente movimento evolucionista na educação, provocado pelos novos currículos, em contra partida foram também se organizando Sociedades Criacionistas tanto nos EUA como em outros países, para disponibilizar literatura de cunho criacionista a professores e estudantes com a intenção de lhes proporcionar outra visão de mundo alternativa, viável, em nível equivalente ao apresentado pela visão de mundo hegemônica.


GEOSCIENCE RESEARCH INSTITUTE

Nos EUA foi então fundado pela Associação Geral da Igreja Adventista do Sétimo Dia, em 1958, o Geoscience Research Institute, sob a direção de Frank Lewis Marsh, autor de numerosos livros publicados em defesa dos pontos de vista criacionistas.

 

Frank Lewis Marsh e seu livro que foi traduzido para o Português

 

Seu livro, “Estudos sobre Criacionismo”, ainda é muito atual, e foi uma das primeiras publicações criacionistas disponibilizadas no Brasil, editada pela Casa Publicadora Brasileira ainda na década de 1950. A sua segunda edição está sendo preparada pela SCB, que recebeu a concessão dos direitos autorais diretamente da família do Autor, esperando-se que seja possível o seu lançamento presumivelmente em 2014.

Desde o início de suas atividades, a SCB tem mantido contatos com o Geoscience Research Institute, dos quais tem resultado profícuo intercâmbio e o desenvolvimento de projetos como a tradução para o Português, a publicação e a disseminação, no Brasil, do periódico “Ciencia de los Orígines”, cujos editores fundadores foram Frank Lewis Marsh e Harold Coffin. Este projeto decorreu de uma parceria com a Divisão Sul-Americana da Igreja Adventista do Sétimo Dia, iniciada em 2002, tendo já sido publicados desde então vinte números desse periódico em Português com o título “Ciências das Origens”.

 

À esquerda, Dr. David Rhys, então Editor de “Ciencia de los Orígines” (2006) e ao centro, Dr. Robert H. Brown, autor de livros e artigos sobre datação radiométrica

 

Prédio atual do GRI no campus da Universidade de Loma Linda, Califórnia

 

Reunião com o staff do GRI em 2006

 

Em julho de 2008, o GRI estabeleceu no Brasil uma sub-sede, sob a direção do Dr. Nahor Neves de Souza Jr., associado da SCB, atualmente professor no Centro Universitário Adventista de São Paulo, no campus de Engenheiro Coelho. A partir de então, a publicação de “Ciências das Origens” passou ao encargo do GRI-Brasil.

 

Dr. Nahor Neves de Souza Jr.

 

O Dr. Nahor manteve laços de amizade familiares com os fundadores da SCB desde a fundação da Sociedade em 1972 em São Carlos, onde residiam, e tornou-se um grande colaborador da SCB como palestrante nos Seminários “A Filosofia das Origens” e autor de artigos publicados na Revista Criacionista, bem como de livros criacionistas de grande interesse.

 

Lançamento do livro “Uma Breve História da Terra”, de autoria do Dr. Nahor, por ocasião da inauguração do Centro Cultural da SCB em 2004

 


 

CREATION RESEARCH SOCIETY

Em 1963 foi fundada, nos EUA, a Sociedade Criacionista denominada Creation Research Society, sob a direção de Walter Lammerts e participação de numerosos companheiros adventistas.

 

Walter Lammerts e sua rosa híbrida “Queen Mary”, e a primeira coleção anual da revista trimestral da Creation Research Society (com quatro números de seu Quarterly publicados em 1964)

 

A Sociedade Criacionista Brasileira, fundada no Brasil em 1972 quase dez anos após a CRS, manteve desde seu início estreito contato com a Creation Research Society, tendo dela recebido autorização para traduzir e publicar artigos do periódico Creation Research Society Quarterly na sua “Folha Criacionista”.

A publicação da “Folha Criacionista”, iniciada em 1972, durante muito tempo constituiu a principal atividade desenvolvida pela SCB, com artigos traduzidos do Quarterly da CRS que despertaram bastante interesse de um público variado que manteve intensa e profícua correspondência com a SCB.

Até hoje, mais de 40 anos após sua fundação, a SCB continua a publicar traduções de expressivos artigos do Quarterly da CRS na sua “Folha Criacionista”, que passou por diversas fases distintas de “evolução”, até chegar à sua formatação atual a partir de 2002, com sua nova denominação de “Revista Criacionista”.

No segundo semestre de 2013 foi publicado o número 89 desse periódico, cujo Índice Temático, contendo centenas de artigos, pode ser acessado no site da SCB www.scb.org.br.

 

Destaques das várias etapas da “evolução” da revista periódica da SCB

 

Em seu relacionamento com a CRS, no ano de 2002 Diretores da SCB visitaram o “Centro de Pesquisas Van Andel”, que essa Sociedade mantém no Arizona, EUA, onde mantiveram contato com o seu Diretor, Dr. John Meyer, e visitaram as instalações de pesquisas, particularmente o banco de ensaios sobre a datação de espeleotemas – estalactites e estalagmites.

 

Visita ao Van Andel Creation Research Center.
Pesquisas sobre taxas de crescimento de estalactites

 

Contato com John Meyer, Diretor do Van Andel Creation Research Center

 


 

BIBLE-SCIENCE ASSOCIATION

 

No contato com o Dr. John Meyer em 2002, os Diretores da SCB trocaram interessantes informações com ele sobre as atividades de divulgação do Criacionismo na Itália, efetuadas pelo Professor Fernando De Angelis, com quem tanto o Dr. Meyer quanto os Diretores da SCB haviam independentemente mantido estreito relacionamento. Mais adiante neste resumo histórico será feita menção novamente a esse fato.

Continuando o resumo histórico da fundação das principais Sociedades Criacionistas, também em 1963 foi fundada nos EUA a Bible-Science Association, dirigida por Walter Lang, ministro luterano com quem a SCB também manteve muitos contatos, inclusive participando das homenagens a ele prestadas por ocasião de seu recente falecimento.

 

Walter Lang e esposa, e a revista da Bible-Science Association

 

A Bible-Science Association foi pioneira na produção de material audiovisual para a divulgação de temas relativos à controvérsia entre Criação e Evolução, na forma de rolos de filmes com coleções de slides coloridos (filmstrips), acompanhados de texto narrado gravado em cassetes. Muitas dessas coleções a SCB traduziu para o Português na década de 1970, e hoje eles estão sendo transformados também em DVDs.

 

Slide introdutório dos “filmstrips” da Bible-Science Association
e seu periódico específico sobre o Dilúvio e a Arca de Noé


CREATION-SCIENCE RESEARCH CENTER

 

Em 1970 foi fundado o Creation-Science Research Center por Nell Segraves, que se destacou também na produção de audiovisuais que a SCB também traduziu para o Português, muitos dos quais hoje estão sendo transformados em DVDs.

 

Slide introdutório dos “filmstrips” do Creation-Science Research Center

 

Uma das principais atividades iniciais da SCB na primeira década de sua existência, além da publicação de seu periódico “Folha Criacionista”, foi a tradução e a duplicação das narrações constantes dos “cassetes” que acompanhavam filmstrips e a duplicação dos respectivos slides produzidos pela Bible-Science Association, pelo Creation-Science Research Center, e também pela Review and Herald Publishing Association (Série “A Evolução e a Bíblia”, coordenada por Harold Clark).

 

Slide introdutório dos “filmstrips” da Review and Herald Publishing Association

 

Todo esse material dos filmstrips originais foi duplicado e preparado pela SCB na forma de coleções de audiovisuais em Português sobre diversos temas da controvérsia entre Criação e Evolução. Essas coleções passaram a ser utilizadas, então, em palestras feitas em encontros com professores e estudantes universitários e pré-universitários em numerosas cidades percorridas pela ainda incipiente SCB, conforme permitiam as ocasiões. Dentre essas cidades encontram-se São Carlos, Ibitinga, Goiânia, Brasília, Uberlândia, Lavras, Viçosa, e outras em diferentes Estados do Brasil.

Consta da programação atual da SCB a revitalização de todo esse material, na forma de áudio-livros ilustrados, para a divulgação dos vários temas criacionistas tão bem abordados nos filmstrips originais.

 


 

INSTITUTE FOR CREATION RESEARCH

Em 1972, foi fundado o Institute for Creation Research sob a direção de John Whitcomb e Henry Morris, apoiados pelos Batistas do Sul nos EUA, inicialmente na Califórnia e hoje no Texas.

 

John Whitcomb e Henry Morris, o livro “The Genesis Flood”, de autoria de ambos,
e a revista “Acts and Facts” publicada pelo ICR em seus formatos antigo e atual

 

A SCB também tem mantido, de longa data, cordiais contatos com o Institute for Creation Research, tendo recebido dele autorização para dublagem de filmes e tradução de livros e artigos de sua produção.

 

Prédio do ICR na Califórnia e foto com Henry Morris (Presidente),
Duane Gish (Vice-Presidente) e John Morris (Diretor) (da esq. para a direita)

 

A SCB da mesma forma tem mantido contatos cordiais com a “Associação Brasileira de Pesquisas da Criação”, entidade fundada em 1979 no Brasil, que mantém estreitos laços com o Institute for Creation Research.

O fundador da ABPC foi o Professor Christiano Pinto da Silva, então docente da Universidade Federal de Viçosa, que tem sido convidado para participar como palestrante em vários dos Seminários promovidos pela SCB. A ABPC tem publicado literatura criacionista de boa qualidade, incluindo traduções de livros e revistas periódicas do ICR, além dos próprios escritos pelo Prof. Christiano.

 

Prof. Christiano e notícia da fundação da ABPC no Informativo da

Universidade Federal de Viçosa

 

 

Participação do Prof. Christiano com outros palestrantes em Seminário da SCB

 

Uma das atividades conjuntas mais profícuas da SCB com a ABPC foi a colaboração mútua das duas entidades para trazer a Brasília o então Vice-Presidente do ICR, Dr. Duane Gish, para realizar uma série de palestras em várias instituições em Brasília. Sua programação em Brasília incluiu palestras no Seminário Teológico Batista de Brasília, na Sociedade Bíblica do Brasil e nas Igrejas Batista Memorial, Presbiteriana, Assembleia de Deus e Adventista do Sétimo Dia.

 

Programação das palestras do Dr. Duane Gish, quando de sua vinda ao Brasil em 2002.
À direita, Dr. Gish com sua esposa, recordação de sua estada em Brasília, com o Prof. Christiano.

 

Um dos resultados indiretos das palestras do Dr. Gish em Brasília em 2002 foi o despertamento do interesse do hoje associado da SCB, Professor Tarcísio da Silva Vieira, para os temas do Criacionismo. O Professor Tarcísio da Silva Vieira estava terminando seu mestrado em Química Orgânica na Universidade de Brasília, teve notícia da existência da SCB, passou a frequentar os Encontros Semanais da SCB no Centro Cultural, fez o Curso de Capacitação oferecido pela Sociedade e tornou-se um ativo participante das atividades da SCB, passando do Agnosticismo para o Criacionismo.

Tornou-se, desde então, palestrante nos Seminários “A Filosofia das Origens”, autor de artigos na Revista Criacionista e atualmente coordenador do “Projeto Pedagógico” da SCB que tem como objetivo preparar docentes para a correta utilização do livro publicado pela Sociedade intitulado “Criação – Criacionismo Bíblico” em suas aulas.

 

O mais recente palestrante nos Seminários da SCB, fruto das palestras do Dr. Gish em Brasília, colaborando também com outras instituições como palestrante convidado


SOCIEDADE CRIACIONISTA BRASILEIRA

 

No Brasil, no mesmo ano da fundação do Institute for Creation Research nos EUA, foi fundada a Sociedade Criacionista Brasileira, inicialmente como iniciativa informal e posteriormente, em 2002 formalizada com personalidade jurídica sem fins lucrativos. Já mencionada em correlação com atividades desenvolvidas em conexão com outras Sociedades mais antigas criadas no exterior, a SCB tem também uma longa história que será resumida a seguir.

O interesse pelo Criacionismo foi despertado no fundador da SCB há cerca de 20 anos antes da própria fundação da Sociedade em 1972, quando começou a se interessar por temas bíblicos inicialmente relacionados com as profecias de Daniel e do Apocalipse e posteriormente com a Criação e o Dilúvio. A partir de então, começou ele a coletar informações, literatura e dados, não só bíblicos como históricos, arqueológicos, astronômicos, geológicos, paleontológicos, biológicos, linguísticos e de outras naturezas, referentes a esses temas. O acervo que então passou a ser constituído foi bastante abrangente e suficiente para caracterizar uma visão de mundo criacionista bastante bem fundamentada à luz da própria Ciência moderna.

Ao acompanhar a educação de seus filhos no nível médio, e observar então a verdadeira avalanche evolucionista derramada sobre eles em função dos currículos, livros didáticos e professores formados com a visão de mundo evolucionista em decorrência dos fatos já mencionados inicialmente neste breve histórico, foi despertada no fundador da SCB a consciência de que deveria ser provida em Português literatura em nível apropriado para que pelo menos os estudantes do ensino médio pudessem fazer uma opção consciente entre as duas visões de mundo opostas entre si – o Evolucionismo e o Criacionismo.

Desta forma é que surgiu então a ideia da fundação da SCB, com sede inicial na própria residência de seu fundador, o Professor da Escola de Engenharia de São Carlos da Universidade de São Paulo, Engenheiro Ruy Carlos de Camargo Vieira.

 

Primeira sede da SCB, em São Carlos, SP (residência do Presidente da SCB)

 

Durante a permanência da sede da Sociedade em São Carlos, houve grande colaboração de numerosos apreciadores da causa criacionista, dentre os quais os que foram citados na comemoração do quadragésimo ano de vida da SCB realizada em novembro de 2012, indicados em ordem alfabética no Boletim da programação: Élvio Caetano, Francisco Batista de Mello, Haroldo Azevedo, Humberto Paulo Ricci, Juedi Mayor, Lélio Lindquist, Nahor Neves de Souza Jr., Rosenvaldo Donato, Ruth Jorge Azevedo e Welingtom Dinelli.

Cerca de trinta anos depois, com a mudança de seu fundador para Brasília, a sede da SCB foi transferida para a Capital da República, permanecendo inicialmente ainda em sua residência até mais tarde poder instalar-se em sala própria.

 

Segunda sede da SCB, em Brasília, DF, na então residência do Presidente da SCB

 

Detalhes da segunda sede da SCB, em Brasília, DF, com biblioteca e videoteca

 

A partir dessa nova fase, a Sociedade tomou um novo e grande impulso devido ao apoio irrestrito recebido de uma pessoa especial que merece destaque por ter incentivado o aprimoramento das publicações, a realização de encontros em vários níveis para o aprofundamento e a divulgação do conhecimento das teses criacionistas, o registro da Sociedade como associação civil sem fins lucrativos, a redação dos Estatutos, o aumento do acervo de espécimes minerais e fósseis, a elaboração de maquetes e modelos ilustrativos, e numerosas outras atividades. Seu nome é Rubens Crivellaro, a quem também já tinham chegado às mãos providencialmente, em Belém do Pará, todos os números iniciais das “Folhas Criacionistas”, despertando sua atenção e interesse na causa criacionista.

 

 

 

Voltando ao início das atividades da Sociedade, com o apoio de muitas outras pessoas movidas pelo mesmo propósito, a vida da SCB começou em São Carlos em 1972, praticamente com a publicação do primeiro número da “Folha Criacionista”, o periódico que visava desde então a divulgação daquela literatura apropriada para esclarecer devidamente a natureza filosófica das teses das duas visões de mundo que se excluem mutuamente, e ao mesmo tempo para deixar claro que o verdadeiro conflito é entre essas visões e não entre Ciência e Religião como se tem propalado.

 

Primeira “Folha Criacionista” publicada na Gráfica da EESC-USP

 

Em conexão com a publicação das “Folhas Criacionistas”, a SCB passou também a divulgar informações sobre os escassos livros existentes publicados em Português defendendo as teses criacionistas.

Dentre esses livros, entre outros, alguns são mencionados em seguida, para destacar a diversidade da sua procedência, indicativa do interesse difuso já então despertado pelo Criacionismo no Brasil.

 

 

Livros publicados por autores Adventistas

 

Livros publicados pela Editora Adventista CPB

 

Livros publicados respectivamente pela Editora Presbiteriana e pela Sociedade Torre de Vigia

 

Livros publicados por Editoras Católicas

 

Outra publicação criacionista que não pode deixar de ser mencionada é a famosa apostila “Ciência e Religião” elaborada em 1977/1978, por alunos do Professor Orlando Rubem Ritter, do então Instituto Adventista de Ensino, sucessor do antigo Colégio Adventista Brasileiro, hoje Centro Universitário Adventista de São Paulo – UNASP. O texto dessa publicação abrange basicamente o conteúdo das aulas da disciplina de mesmo nome ministrada pelo Professor Ritter durante décadas no Seminário Teológico Adventista e nos demais cursos de nível superior mantidos por aquela instituição de ensino.

Dezenas de turmas dos vários cursos oferecidos durante o período em que a disciplina de “Ciência e Religião” foi lecionada no IAE e no UNASP tiveram a oportunidade de ter seus horizontes abertos pelos textos elaborados com maestria pelo Prof. Ritter em defesa das teses criacionistas. A SCB está terminando a revisão da segunda edição da apostila, que terá a forma de livro e deverá ser reeditada em meados de 2014.

Merece ser relembrado que foi o Prof. Ritter quem deu informações sobre a existência da Creation Research Society nos EUA, por ocasião de sua participação na “Semana da Cultura” idealizada pelo Pastor Leondenis Vendramin na Igreja Adventista de São Carlos e realizada em um clube da cidade em 1971. A partir de então é que passou a ser criada a SCB, inspirada na organização e propósitos da CRS.

 

Pastor Leondenis e esposa na solenidade de formatura da Escola Adventista D. Pedro II em 1971,
em São Carlos (foto acima), e entrega ao Prof. Ritter das provas para a reedição da sua apostila original, em 2011 (foto abaixo)

 


 

CONGRESSO DE JOVENS ADVENTISTAS EM MANAUS

 

A primeira tentativa da SCB para a divulgação do Criacionismo extra muros ocorreu logo após a publicação dos dois primeiros números da “Folha Criacionista”, quando a recém criada Sociedade tomou a iniciativa de divulgá-los no Congresso de Jovens Adventistas que se realizou em Manaus, em 1972. Detalhe interessante foi, nessa ocasião, o afundamento de duas caixas com essas publicações nas águas do Rio Amazonas, e sua recuperação miraculosa.

 

Teatro Amazonas, local do Congresso, e capa dos dois primeiros números da “Folha Criacionista”

 

Iniciou-se, a partir de então, a participação da Sociedade em eventos diversos, sozinha ou em parceria com outros interessados, estendendo-se essa atividade a igrejas, escolas e outras instituições.


ACAMPAMENTO DA MOCIDADE ADVENTISTA DE BOTAFOGO (MAB) EM FRIBURGO

 

Alguns exemplos dessa atividade, que foram registrados fotograficamente, são dados a seguir, iniciando-se com a participação no Acampamento da Mocidade Adventista de Botafogo em 1990 em Friburgo, RJ. A partir da apresentação da temática criacionista em eventos diversos, como esse, foram sendo arregimentados adeptos do Criacionismo que se tornaram grandes colaboradores para o desenvolvimento da SCB.

Desse evento, em particular, surgiu a colaboração irrestrita do Engenheiro Marcus Vinicius de Paula Moreira, que se tornou o Webmaster da SCB, mantenedor dos sites da Sociedade na Internet, Diretor de Mídia e Eventos da SCB, idealizador dos Seminários “A Filosofia das Origens” e fundador do primeiro Minicentro da SCB, instalado na Igreja Adventista do Botafogo, no Rio de Janeiro. Desde o encontro com Marcus Vinicius nesse Acampamento, foram se estreitando os laços de amizade e colaboração entre ele e a SCB, inicialmente com a manifestação do seu interesse pelo livro “O Sábado” escrito por Guilherme Stein Jr. que incentivou a SCB a proceder à sua reedição em 1995 (com notas de rodapé esclarecedoras adicionais), dando início assim à sua linha editorial própria com a reedição de outro livro do mesmo autor, “Sucessos Preditos na História Universal” também em 1995.

Reedições de Guilherme Stein Jr., 1995



Seguiram-se as edições dos opúsculos de autoria do Presidente da SCB “A Esfericidade da Terra”, “A Geometria do Sistema Solar” e “A Mudança dos Tempos e da Lei”, em 1996.

Edições de Ruy Carlos de Camargo Vieira, 1995


Foi também mediante troca de ideias com Marcus Vinicius que, desde então, surgiu a ideia de se institucionalizar a SCB. Com esse propósito, foi por ele sugerido inicialmente que ela se transformasse em uma ONG, mas após várias considerações e análises sobre as vantagens e desvantagens da concretização dessa sugestão, ela acabou sendo deixada de lado. Entretanto, foi mostrada por ele a necessidade de que a SCB passasse a ter personalidade jurídica para possibilitar seu funcionamento pelo menos como editora das publicações de sua linha editorial. Demorou um pouco para que a SCB adotasse essa iniciativa de registrar-se como entidade de personalidade jurídica, mas finalmente isso ocorreu em meados do ano 2000.

 

 


MINICENTROS CRIACIONISTAS

 

 

Têm sido incentivadas pela SCB iniciativas locais como esta, para a fundação de Minicentros Criacionistas junto a Igrejas e instituições educacionais, tendo sido inaugurados até hoje mais dois Minicentros credenciados pela Sociedade – um na Igreja Adventista Central de Curitiba e outro na Universidad Adventista de Bolivia, em Cochabamba.

Darcy Oliveira Martinez (ao centro da foto à esquerda, portando a placa comemorativa)

Minicentro Criacionista fundado na Igreja Adventista Central de Curitiba,
pelo colaborador da SCB

 

 

Minicentro Criacionista fundado na Universidad Adventista de Bolivia com a colaboração da SCB

 


 


NÚCLEO DE ESTUDOS DAS ORIGENS

 

A SCB participou, também, de numerosos eventos em conjunto com o “Núcleo de Estudos das Origens”, órgão oficializado em 1999 no Instituto Adventista de Ensino, hoje campus de São Paulo do Centro Universitário Adventista de São Paulo, em que atuavam (e até hoje atuam) vários docentes com qualificação acadêmica de doutorado em áreas como filosofia, física e biologia, todos colaboradores da SCB como palestrantes em seus Seminários e também como autores de artigos para a “Revista Criacionista”. O Professor Euler Bahia foi um dos incentivadores da criação do NEO e teve participação ativa em suas atividades até ser levado à posição de Reitor do UNASP quando do seu credenciamento como Centro Universitário.

Como Reitor do UNASP, ele colaborou diretamente (juntamente com Reitores de outras Universidades) para a viabilização da edição em Português de um dos principais livros já editados para a defesa das teses criacionistas na Biologia – o livro “Evolução – Um Texto Crítico”, de autoria de Reinhard Junker e Siegfried Scherer, publicado pela SCB em 2002.

 

Oficialização do NEO durante o III Encontro Nacional de Criacionistas promovido pelo IAE em 1999. Acima, o Reitor Euler Bahia em companhia de pesquisadores do GRI e do NEO

 

Inicialmente, foi Coordenadora do NEO a Professora Márcia Oliveira de Paula, doutora em Microbiologia pela Universidade Federal de Minas Gerais (na foto acima, a quarta, da esquerda para a direita), que no momento está prestando à SCB preciosa colaboração na revisão e atualização do livro “Estudos sobre Criacionismo”, de Frank Lewis Marsh, para a sua reedição em futuro próximo. Foi também Coordenador do NEO o Dr. Urias Takatohi (na foto, o segundo da direita para a esquerda) e atualmente o Coordenador é o Professor Marcos Natal de Souza Costa, doutor em Geologia pela Universidade de São Paulo (na foto, o quinto da direita para a esquerda).

 

Dentre os eventos com a participação comum do NEO e da SCB, foram registrados fotograficamente os realizados nas

Universidades Federais de Lavras e de Viçosa, em Minas Gerais, indicados a seguir.

 

Congresso Criacionista na Universidade Federal de Lavras

 

Congresso Criacionista na Universidade Federal de Viçosa

 

O relacionamento da SCB com o Dr. Marcos Natal iniciou-se há quase 20 anos, em dezembro de 1994, no Encontro com os Universitários Adventistas de Goiânia organizado pelas lideranças locais sob a direção do Pastor Joaquim Silva, em que a SCB proferiu palestras e exibiu filmes criacionistas que despertaram bastante interesse. Desde a fundação do NEO em 1999 e o início dos Seminários “A Filosofia das Origens” da SCB em 2002, a colaboração do Dr. Marcos Natal com a SCB tem sido constante.

Após o VI Seminário da SCB, realizado em Campina Grande em 2009 com o apoio local de várias entidades, entre as quais a Universidade Estadual da Paraíba através de seu “Programa de Conscientização Arqueológica”, a maior parte dos palestrantes pode participar de uma excursão ao “Vale dos Dinossauros” que se encontra no Município de Souza, no interior do Estado da Paraíba, com a finalidade de colher informações e filmar os locais da região em que são avistadas pegadas de dinossauros, com vistas a elaborar futuramente um filme documentário criacionista sobre a polêmica extinção desses enormes animais.

 

Palestrantes e coordenadores locais do VI Seminário “A Filosofia das Origens”, em Campina Grande

 

Participaram da excursão o Dr. Marcos Natal e o Dr. Nahor, juntamente com o Professor Tarcísio e alguns outros palestrantes, que procederam a uma avaliação dos iconofósseis da Bacia do Rio do Peixe, que evidenciam a existência de enormes dinossauros naquela região em tempos idos. A partir da filmagem feita in loco, a SCB espera poder produzir um vídeo com a interpretação criacionista da origem das pegadas encontradas na região, narrada pelo Dr. Marcos Natal em diálogo com o Dr. Nahor.

 

Dr. Marcos Natal com Dr. Nahor e Prof. Tarcísio observando pegadas de dinossauros em Souza

 



INSTITUTO ADVENTISTA DE ENSINO DO NORDESTE

 

A SCB manteve contato também com o que hoje é a “Faculdade Adventista da Bahia”, mantidas pelo “Instituto Adventista de Ensino do Nordeste”(IAENE), participando em Encontros Criacionistas realizados no IAENE. Nesse Instituto foi fundado em 1991 pelo médico e grande colaborador da SCB, Dr. Carlos Gama Michel, o que hoje é o “Museu de Geociências” ligado ao Seminário Adventista Latino-americano de Teologia. A partir de 2001, esse Museu passou à Direção do Dr. Wellington dos Santos Silva e em 2013 foi revitalizado passando a manter parceria com o Geoscience Research Institute.

 

Participação da SCB em Encontros Criacionistas realizados no IAENE

 

Na década de 1970, ainda nos primórdios da vida da SCB, ocasionalmente foi feito um contato entre o Presidente da Sociedade e o Dr. Carlos Gama Michel, em São Carlos, a respeito de assunto relacionado com a sua transferência do curso de Medicina do Rio de Janeiro para Mato Grosso, e desde então a SCB recebeu notícias sobre as suas atividades na divulgação do Criacionismo. Ele formou-se em Medicina em 1971, após ser formado em Teologia na Andrews University, nos EUA, fez mestrado em Saúde Pública na Universidad de Montemorelos, no México, e no Brasil lecionou no que hoje é a Faculdade Adventista da Bahia, onde montou o primeiro Museu Criacionista existente no Brasil, embrião do “Museu de Geociências” recentemente revitalizado.

Em contatos mais recentes com ele, a SCB teve a satisfação de contar com a sua colaboração para a tradução do livro “Descoberta do Gênesis nos Caracteres Chineses”, de autoria da Dra. Ethel Nelson, médica americana adventista missionária na Tailândia durante quase 30 anos, que se dedicou ao estudo dos caracteres chineses antigos, sendo curioso o fato de o Dr. Michel a ter conhecido pessoalmente na Loma Linda University. O Dr. Michel apresentou o tema abordado nesse livro em palestra efetuada por ele no IX Seminário “A Filosofia das Origens” realizado em 2011 em Brasília.

A Dra. Ethel recentemente deu à SCB os direitos autorais para a publicação de mais quatro livros de sua autoria sobre a escrita chinesa, o primeiro deles, “Mistérios que Confúcio não podia Resolver”, também já foi traduzido pelo Dr. Michel, esperando-se que possa ser publicado no início deste ano de 2014.

 

Dr. Carlos Michel em sua palestra na UNIP e livros da Dra. Ethel a serem publicados pela SCB

 

O Dr. Wellington dos Santos Silva é Biólogo, fez seu mestrado na Universidade Federal de São Carlos e seu doutoramento na Universidade de Brasília na área de Genética Humana, e tem sido também um grande colaborador da SCB participando dos Seminários da Sociedade como palestrante e também escrevendo artigos para a Revista Criacionista. Foi o organizador do X Seminário “A Filosofia das Origens” da SCB realizado em junho de 2011 na Faculdade Adventista da Bahia, e recentemente foi o editor do livro “Criacionismo no Século XX – Uma Abordagem Multidisciplinar”.

 

X Seminário “A Filosofia das Origens” da SCB no IAENE – Junho de 2011

 

Dr. Wellington, livro editado por ele e cartaz do X Seminário da SCB no IAENE

 

Durante a sua permanência em Brasília para terminar seu doutorado na UnB, o Dr. Wellington colaborou com a SCB participando como palestrante em encontros criacionistas, entre os quais o que foi realizado para um grupo de jovens na Igreja Presbiteriana Nacional, em companhia do Professor Tarcísio.

 

Palestrantes da SCB na Igreja Presbiteriana Nacional, em Brasília

 

Para a SCB foi uma satisfação bastante grande ficar sabendo, muitos anos depois, que o Dr. Wellington tinha sido um leitor assíduo das “Folhas Criacionistas” publicadas a partir de 1972, tendo feito até mesmo sacrifícios pessoais para a sua aquisição nos tempos idos em que era estudante e não dispunha de recursos suficientes para arcar com os custos da aquisição.

 


ORGANIZAÇÃO SANTO-AMARENSE DE EDUCAÇÃO E CULTURA

 

Durante alguns anos, a SCB pode receber grande apoio da "Organização Santo-amarense de Educação e Cultura” (OSEC), mantenedora das então “Faculdades de Santo Amaro”, situadas na zona sul de São Paulo, durante o período em que o Presidente da SCB exerceu também a Presidência dessa Organização. Foi criado na OSEC, nessa ocasião, o “Núcleo de Pesquisas Bíblicas Guilherme Stein Jr.” com instalações que abrigaram documentos originais desse pioneiro criacionista no Brasil e também vários outros documentos de valor histórico e espécimes de minerais e rochas de interesse para o estudo do Criacionismo e o “Programa Editorial Criacionista”. Foi também estabelecido um Programa Editorial Criacionista que permitiu a impressão de dois livros e de seis números da “Folha Criacionista” com formatação mais adequada para a leitura.

 

Publicações da SCB efetuadas pela OSEC, mantenedora da Universidade de Santo Amaro

 

Após terem as “Faculdades de Santo Amaro” se transformado em “Universidade de Santo Amaro” (UNISA), foram também realizados na OSEC os dois primeiros “Encontros UNISA de Criacionismo”, com a colaboração efetiva dos amigos da SCB Eliseu Menegusso, então Capelão da Universidade e Zedemar Bruscagin, Administrador dos Programas Editoriais.

Em meados do ano 2001 foi também coordenada pela SCB a parceria com a UNASP (já mencionada, com a participação do Reitor Euler Bahia), a UNISA (com a participação do Reitor Sidney Dutra) e o Instituto Mackenzie (com a participação do Presidente Dr. Cyro Aguiar) para viabilizar a edição do livro “Evolução – Um Texto Crítico”, de autoria de Reinhard Junker e Siegfried Scherer, publicado pela SCB em 2002. A publicação desse livro certamente marcou a maioridade da SCB em termos do nível acadêmico de suas publicações, pela profundidade com que nele são tratados difíceis temas da controvérsia entre o Criacionismo e o Evolucionismo.

 

Entrega dos primeiros exemplares do livro às Universidades que apoiaram a sua edição

 


INSTITUTO PRESBITERIANO MACKENZIE

 

Os contatos da SCB com o Instituto Presbiteriano Mackenzie mantiveram-se até mais recentemente, quando foi eleito Vice-Reitor da Universidade Presbiteriana Mackenzie o Engenheiro Marcel Mendes, bastante simpático à causa do Criacionismo (e que na época do lançamento do livro “Evolução – Um Livro Texto Crítico” era assessor do Dr. Cyro Aguiar) e quando o Chanceler do Instituto passou a ser o Reverendo Augustus Nicodemus Gomes Lopes.

Em 2008, a convite do Reverendo Nicodemus, a SCB teve a honra de participar do “I Simpósio Internacional Darwinismo Hoje”, no qual foram debatidas em alto nível as posições Criacionista, Evolucionista e do Design Inteligente.

 

Participação da SCB em Simpósio Internacional organizado
pelo Instituto Presbiteriano Mackenzie

 



UNIVERSIDADE PAULISTA - UNIP

 

Por razões de relacionamento bastante antigo do Presidente da SCB com um dos donos das organizações “Objetivo”, que se tornaram a mantenedora da Universidade Paulista (UNIP), houve uma grande aproximação da SCB com o campus do Centro Universitário da UNIP em Brasília.

Assim, algumas iniciativas da SCB tiveram pleno apoio do Dr. Yugo Okida, Reitor do campus da UNIP em Brasília, como por exemplo a parceria para a publicação do livro “Estudo Comparativo do Japonês com Línguas Ameríndias”, de autoria de Luiz Caldas Tibiriçá, geólogo com o qual a Sociedade manteve estreito contato. O lançamento do livro foi efetuado em solenidade realizada na própria UNIP, com a presença de bom número de interessados. A propósito, antes do seu falecimento, o Autor cedeu à SCB valioso legado para ser oportunamente publicado, fruto de seu trabalho realizado durante décadas de intensas pesquisas – os originais de sua obra magna “Dicionário da Língua Mãe Universal”.

Outra iniciativa foi trazer a Brasília o Dr. Augusto Carlos Vasconcelos, professor da Escola Politécnica da USP (que teve apoio do IBRACON para a publicação de dois livros seus, versando respectivamente sobre “Estruturas da Natureza” e “Máquinas da Natureza”) para proferir no Anfiteatro da UNIP palestra sobre o assunto dessas suas publicações, sob uma óptica semelhante à do Design Inteligente.

 

Luiz Caldas Tibiriçá e Augusto Carlos Vasconcelos

 

Outros dois projetos apoiados pela UNIP foram a construção de modelo da Arca de Noé em escala de 1:100 no seu Laboratório de Maquetes do Curso de Arquitetura, e a apresentação do Oratório “A Criação”, de Haydn, pela primeira vez no Brasil em tradução feita para a língua portuguesa, no Anfiteatro Ulysses Guimarães, cedido gratuitamente.

O primeiro desses projetos baseou-se no modelo construído por Rod Walsh, com quem a SCB manteve contato por ocasião de um Congresso Criacionista realizado na Austrália pela Answers in Genesis, entidade criacionista australiana com a qual a SCB também tem mantido contato. A coordenação da construção do modelo coube a Rubens Crivellaro, Vice-Presidente da SCB e exímio artífice em trabalhos delicados de marcenaria.

Rod Walsh foi também o produtor de um excelente vídeo sobre a Arca e o Dilúvio, cujos direitos autorais para a dublagem em Português foram por ele cedidos à SCB. Encontra-se disponibilizado no site da SCB o DVD com essa dublagem, que foi feita em parceria com a TV Novo Tempo.

 

O modelo de Rod Walsh na Austrália e a construção do modelo da SCB na UNIP

 

O segundo projeto, a apresentação do Oratório “A Criação”, foi coordenado pelo Maestro Eldon Soares, que de longa data vinha considerando a possibilidade de presentear a SCB com esse espetáculo. A oportunidade surgiu, finalmente, para comemorar conjuntamente o quadragésimo aniversário do Coral Adventista de Brasília e da SCB. A apresentação foi realizada no Auditório Ulysses Guimarães da UNIP e contou com a participação da Orquestra Sinfônica “Creatio” (com os figurantes mostrados na ilustração abaixo) e do Coral Adventista de Brasília dirigido pelo Maestro Eldon Soares, que trouxe dos EUA para a regência do Oratório o Maestro Stephen Paul Zork, e para solista o soprano Cristina Piccardi, ambos da Andrews University. Como solistas convidados participaram também o baixo Joabe Borges, do Madrigal da Universidade Federal da Bahia, e o tenor Rodrigo Soalheiro, da Escola de Música de Brasília.

 

Detalhe da divulgação do evento com os figurantes da Orquestra Sinfônica Creatio

 

Outra preciosa colaboração da UNIP foi a cessão gratuita do Anfiteatro Ulysses Guimarães para a realização em Brasília do IX Seminário “A Filosofia das Origens” em 2011.

 

Colaboração da UNIP para a realização do IX Seminário “A Filosofia das Origens”

 



OUTRAS UNIVERSIDADES

 

Outros relacionamentos da SCB com Universidades ocorreram também com relação à cessão de anfiteatros para a realização de Seminários “A Filosofia das Origens”.

Entre eles estão a cessão gratuita do Teatro da então Faculdade da Cidade, hoje “Univercidade”, para a realização do I Seminário no Rio de Janeiro, em 2002, e a cessão do Anfiteatro Tucker do Instituto Metodista de Ensino Bennett para a realização do II Seminário em 2004, também no Rio de Janeiro.

 

Teatro da Faculdade da Cidade e Anfiteatro do Instituto Metodista Bennett

 

Continuando a realização desses Seminários no Rio de Janeiro de dois em dois anos, o III Seminário foi realizado no Auditório do campus da Barra da Universidade Estácio de Sá, também cedido gratuitamente para a Sociedade.

 

Auditório do campus da Barra da Universidade Estácio de Sá

 


RELACIONAMENTOS DIRETOS RELEVANTES COM PESSOAS ESPECÍFICAS

 

Relacionamentos da SCB com algumas pessoas específicas foram também bastante numerosos, dentre os quais seguem alguns cuja documentação fotográfica pôde ter sido obtida, bastante ilustrativos do interesse que foi sendo despertado pelo Criacionismo.

Por exemplo, logo após sua fundação, a SCB foi procurada pelo Pastor Reuben Kuiper, missionário da Igreja da Graça recentemente chegado a São Carlos, para um projeto conjunto de distribuição de folhetos contendo apanhados sucintos sobre temas criacionistas polêmicos, para serem distribuídos a vestibulandos por ocasião dos exames vestibulares de início do ano. São Carlos, cidade universitária, na época dos exames vestibulares recebia numerosos candidatos provenientes de outras cidades e foi escolhido até o formato dos folhetos que facilmente poderiam ser dobrados e inseridos nos bolsos da camisa para poderem ser lidos posteriormente. Essa foi uma experiência interessante, da qual, entretanto, não temos qualquer retorno sobre a sua eficácia para despertar naqueles jovens o interesse nos temas criacionistas.

 

Primeira experiência da SCB na divulgação pública do Criacionismo

 

Ainda em seus primeiros anos de vida em São Carlos, a SCB recebeu correspondência relativamente volumosa, da qual algumas cartas em especial devem ser divulgadas por indicarem o interesse despertado pelas primeiras “Folhas Criacionistas” publicadas. Uma delas é a correspondência trocada com o então Juiz de Direito da cidade de Carpina, nas proximidades de Recife, em Pernambuco, Dr. Antônio Pessoa Leite.

Desde os primeiros contatos mantidos demonstrou ele grande apreciação pelo Criacionismo, informando que estava a par da iniciativa de tradução do livro “Biology – A Search for Order in Complexity” publicado pela Creation Research Society, que havia sido tomada por algumas pessoas locais interessadas na divulgação de alternativas e críticas ao Evolucionismo.

Após ter sido feito o primeiro contato direto entre ele e o Presidente da SCB em Carpina, aos poucos foram se tornando mais espaçados os contatos, até cessarem poucos anos depois. No entanto, em 2013, decorridos quase quarenta anos, surpreendentemente a SCB volta a ser procurada por ele por via telefônica e reatam-se os contatos com notícias dele sobre a sua adesão irrestrita ao Criacionismo, sua aposentadoria como Juiz já em Recife e ainda sua ordenação como Bispo Anglicano e o desejo de apoiar a realização de um Seminário da SCB em Recife.

 

Dr. Antônio Pessoa Leite, um dos primeiros a escrever à SCB demonstrando interesse no Criacionismo

 

Correspondência trocada com o Dr. Samuel Novaes Figueira, ilustre e ilustrado médico em Salvador, Bahia, também foi muito interessante, tendo ele enviado à SCB um exemplar de seu livro “Da Origem do Homem”, escrito muito bem fundamentado como um verdadeiro libelo contra o Evolucionismo. Foi muito confortante saber que o Criacionismo já contava desde então com defensores de peso.

 

Dr. Samuel Novaes Figueira, o primeiro a escrever à SCB enviando livro criacionista de autoria própria

 

Logo após a publicação dos primeiros números da “Folha Criacionista”, apareceu na Revista “Ciência e Cultura”, editada pela Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), uma nota dirigida aos seus editores mencionando a importância de ser também ouvida pela Revista a voz em defesa do Criacionismo no âmbito da Ciência. Essa nota era assinada pelo Professor Roberto Cesar de Azevedo, formado em Biologia pela USP e com mestrado em Comunicação pela Andrews University.

O Professor Azevedo veio a ser, com o correr do tempo, um grande incentivador das atividades da SCB, em todas as posições de relevo que ocupou – como Departamental de Educação da então União Sul Brasileira, como Diretor do Instituto Adventista de Ensino e como Departamental de Educação da Divisão Sul-Americana da Igreja Adventista.

Tem sido ele ativo colaborador da SCB na categoria de associado fundador, proferindo palestras nos Seminários da Sociedade, escrevendo artigos para a Revista Criacionista e escrevendo livros criacionistas que a Sociedade tem divulgado. Particularmente, foi ele, juntamente com a esposa e outros colaboradores, que incentivou a publicação do periódico da SCB destinado a crianças do ensino fundamental intitulada “De Olho nas Origens”.

 

 



 

Outro antigo docente do atual UNASP, hoje aposentado e trabalhando em instituição de ensino superior em Sobral, Ceará, é o Professor Gerson Pires de Araujo, doutor em Filosofia da Educação pela USP, que desde o início das atividades da SCB passou a dar sua preciosa colaboração como palestrante nos Seminários “A Filosofia das Origens”, escrevendo artigos para a Revista Criacionista e publicando livros criacionistas de sua própria lavra, que têm sido distribuídos pela Sociedade.

 

 

 

Nesta apresentação de nomes de pessoas que se distinguiram como laboriosos criacionistas, não podem deixar de ser citados in memoriam especialmente os nomes de duas pessoas já falecidas – o Professor Admir Arraes de Matos e o Advogado Ayalon Orion Cardoso.

O primeiro foi colega de quarto do Diretor Executivo da SCB durante o final de seu curso fundamental concluído no então Ginásio Adventista Campineiro, hoje Campus de Hortolândia do Centro Universitário Adventista de São Paulo. Formou-se em Biologia e fez o doutorado na UNICAMP. Destacou-se no trabalho pioneiro de publicação de livros didáticos criacionistas e colaborou como palestrante em Seminários em colaboração com a SCB.

O segundo foi um grande incentivador do Criacionismo, astrônomo amador, escritor de artigos criacionistas para a Revista Criacionista e coordenador do Encontro Criacionista que contou com a participação da SCB e do NEO em Lavras, cidade em que residia.

A SCB presta a eles a devida homenagem pela coragem e disposição para enfrentar críticas oriundas de pessoas mal educadas, deseducadas e não educadas, que se opuseram a eles no decorrer de seu magnífico trabalho de divulgação do Criacionismo e do Criador.

 

In Memoriam

 

Há cerca de mais de duas décadas, a SCB teve notícia da existência de um grupo de jovens criacionistas em Porto Alegre, que publicava uma apostila com capítulos sobre temas criacionistas diversos e proporcionava cursos para a divulgação desses temas. Seu trabalho era exercido com a denominação de “Seminários Scientia” e logo foram estabelecidos vínculos com esse grupo, que resultaram no convite que foi feito ao Presidente da SCB para apresentar uma palestra para o grupo em 2001, na Igreja Adventista Central de Porto Alegre.

 

Professor Eduardo Ferreira Lütz

 

Iniciou-se, assim, nessa ocasião, o profícuo contato da SCB mantido cada vez mais intensamente com o Físico Eduardo Ferreira Lütz, um dos jovens colaboradores do “Seminário Scientia”, professor, pesquisador, hoje participante dos Seminários “A Filosofia das Origens”, autor de artigos para a “Revista Criacionista” e correspondente no auxílio a respostas a perguntas mais complexas sobre a origem do Universo enviadas para a SCB por e-mail.

A colaboração que tem sido prestada à SCB pelo Professor Lütz tem sido de extraordinária valia para a divulgação das teses criacionistas no campo da História e Filosofia da Ciência e particularmente na área da Cosmologia. A Sociedade, em seu programa editorial, espera poder publicar em meados de 2014 o livro “Cosmologia Criacionista Bíblica” que deverá conter, além de artigos de outros autores, especialmente também a coleção dos artigos da autoria do Professor Lütz que foram publicados na Revista Criacionista.

 

Há cerca de uma década, a SCB tomou conhecimento das palestras criacionistas que vinham sendo feitas pelo Professor Adauto Lourenço, e conseguiu fazer-lhe uma visita na cidade de Limeira, SP, onde ele residia, para conhecê-lo e oferecer-lhe a literatura que até então tinha sido publicada pela Sociedade. A partir desse encontro, estreitaram-se os laços com o Professor Adauto, que sempre atendeu solicitamente os convites para participar como palestrante nos Seminários da SCB.

Dentre outros Seminários, o professor Adauto participou do IV Seminário “A Filosofia das Origens” realizado em 2003 em Fortaleza, e também da expedição realizada após o Seminário para a Chapada do Araripe, onde foi procedida a filmagem que resultou na produção do vídeo que iniciou a série de DVDs da SCB denominada “Do Ararate ao Araripe”. Nesse vídeo, o Professor Adauto apresenta interessantes comentários sobre a questão da datação das rochas sedimentares da região, em conexão com as apresentações dos demais colaboradores da SCB.

Além de sua atividade em conjunto com a SCB, o Professor Adauto realiza palestras e séries de conferências em instituições que o convidam, mantém o site www.universo.com.br e tem publicado vários interessantes livros sobre temas criacionistas.

 

Professor Adauto com a equipe da SCB na Chapada do Araripe e algumas de suas publicações

 

Também há cerca de dez anos a SCB tomou conhecimento da existência de um “Núcleo de Design Inteligente” no Brasil, e procurou entrar em contato com o seu Coordenador, o Professor Enézio Eugênio de Almeida Filho.

A partir de então foram também estreitados os laços da SCB com o movimento do Design Inteligente, e a Sociedade passou a contar também com a colaboração do Professor Enézio como palestrante de seus Seminários e como autor de artigos para a Revista Criacionista. Ele tem efetuado várias revisões de livros que a Sociedade publicou e que virá a publicar, e recebeu apoio da SCB para a facilitação de contatos seus com o MEC e com o Congresso Nacional, para o encaminhamento de proposições a respeito do ensino do Evolucionismo nas escolas.

O Professor Enézio foi “darwinista de carteirinha” e depois de perceber as falácias do Evolucionismo tornou-se ardente defensor do Design Inteligente. Hoje é mestre em História da Ciência pela PUC de São Paulo e doutorando na mesma instituição. Em seu blog http://pos-darwinista.blogspot.com.br/, tem sido um veemente lutador pela integridade científica, “desafiando a nomenclatura científica” e mantendo-se atualizadíssimo quanto a críticas que cada vez mais vêem sendo feitas ao Darwinismo.

 

Professor Enézio em Seminários da SCB

 

Ainda há cerca de pouco mais de dez anos, a SCB teve o prazer de ser contatada telefonicamente pelo jornalista Michelson Borges, que informava ter escrito um livro sobre temas criacionistas e que desejava algumas sugestões a seu respeito. Sua solicitação foi atendida, dentro do possível, e a partir de então também começaram a estreitar-se os laços entre ele e a SCB. O livro foi publicado em 2003 pela CPB (editora adventista na qual Michelson passou a trabalhar), com o título “A História da Vida”, onde ele tratou de vários temas correlacionados com a questão da origem da vida. Logo em seguida, a Sociedade teve a honra se ser entrevistada por ele, e a entrevista passou a fazer parte do livro “Por Que Creio”, de sua autoria, que foi também publicado pela CPB em 2004.

A partir de então, o jornalista Michelson passou a colaborar com a SCB como palestrante nos Seminários da Sociedade e autor de artigos para a Revista Criacionista. Foi ele também quem, juntamente com seu colega de trabalho na CPB, Eduardo Olszewsky, elaborou a nova capa da Revista Criacionista que passou a vigorar desde seu número 67.

 

Michelson Borges, algumas publicações criacionistas suas e a nova capa da Revista Criacionista

 

Em meados de 2005 iniciou-se uma aproximação estreita com o Dr. Hipólito Gadelha Remígio, recém chegado de volta a Brasília, que se associou à SCB e passou a ser um notável incentivador das atividades da Sociedade, distinguindo-se pelo apoio pessoal dado à expansão geográfica dos Seminários “A Filosofia das Origens”. Foi assim realizado com o seu apoio, já em 2007, o IV Seminário em Fortaleza, intercalado entre o III e o V Seminários bianuais que se realizaram no Rio de Janeiro. Continuou a apoiar desde então todos os demais Seminários realizados pela SCB, que hoje já soma o total de quinze.

 

Dr. Hipólito no Seminário de Curitiba em 2011 e em reunião no Centro Cultural

 

Foi agradável surpresa saber da influência que as primeiras “Folhas Criacionistas” publicadas a partir de 1972 haviam exercido na juventude do Dr. Hipólito, e também do seu interesse atual pelo Criacionismo. Curiosamente, por ocasião de sua primeira mudança para Brasília, ele havia sido inquilino da associada fundadora da SCB, Judith Ferraz Corrêa, recentemente falecida, e jamais ambos poderiam imaginar que estariam juntos na Sociedade alguns anos depois, em 2005 !

Eleito em 2006 como Diretor-Secretário da SCB, e reeleito nos triênios seguintes, o Dr. Hipólito foi palestrante em vários dos Seminários da Sociedade, apresentando temas teológicos e filosóficos. Contribuiu, também, para a aquisição de valiosos espécimes para exposição no Centro Cultural da Sociedade e para a manutenção do programa editorial de novos livros criacionistas, responsabilizando-se também pela contratação de uma Secretária para o atendimento da movimentação das vendas do material produzido pela SCB e demais atividades de caráter burocrático exigidas pela legislação em vigor.


O CONSÓRCIO

A partir da associação dos esforços do Presidente da SCB e de seu filho, o Secretário Executivo, com os esforços e apoio dos demais componentes da Diretoria – Rubens Crivellaro como Vice-Presidente e Hipólito Gadelha Remígio como Diretor-Secretário – as atividades da Sociedade expandiram-se muito rapidamente, exigindo também maior interrelacionamento com a Sede Brasileira do Geoscience Research Institute, o Núcleo de Estudo das Origens do UNASP de São Paulo e o Museu de Geociências do Instituto Adventista do Nordeste.

 

 

Foi então procurada uma participação mais efetiva da Divisão Sul-Americana da Igreja Adventista do Sétimo Dia para a agilização da participação comum dessas instituições de forma otimizada na divulgação do Criacionismo. Como resultado, foi criado informalmente o Consórcio Criacionista Adventista envolvendo essas instituições, que, a partir de 2014 deverão estar recebendo maior apoio da Divisão para a consecução de seus objetivos comuns.

Assim, em 13 de dezembro de 2012 foi assinado um Protocolo de Intenções entre as entidades consorciadas e a Divisão Sul-Americana da Igreja Adventista do Sétimo Dia, instituindo o Consórcio Criacionista Adventista, devendo ser elaborado o Plano Estratégico para 2013/2014 logo no início do próximo ano.

Reunião preliminar para o estudo da minuta elaborada pela SCB

Apresentação do documento final à DSA para assinatura

Assinatura do documento que institui o Consórcio


A INSTITUCIONALIZAÇÃO DA SCB

 

Voltando à institucionalização da Sociedade Criacionista Brasileira no ano 2000, foi ela foi um passo decisivo para que a SCB pudesse desenvolver-se como uma associação civil sem fins lucrativos e deixasse de ser basicamente uma instituição mais de natureza familiar para assumir personalidade jurídica. Como já mencionado, o embrião dessa iniciativa partiu dos contatos da SCB feitos anteriormente com o Engenheiro Marcus Vinicius de Paula Moreira, e localmente recebeu o apoio imprescindível de Rubens Crivellaro.

Com o objetivo de inserir todas as atividades da Sociedade devidamente no contexto legal, foram tomadas providências para a redação de seus Estatutos, com a orientação inestimável do Dr. Erich Olm, que se tornou também um de seus associados fundadores. Foi então marcada para 12 de agosto do ano 2000 a Assembleia Geral para a fundação da SCB, e eleição de sua Diretoria, tendo sido publicado e devidamente divulgado o edital de convocação e comparecido 59 eleitores.

 

Assembleia de constituição da SCB e eleição da Diretoria

 

A chapa única apresentada para a composição da Diretoria da Sociedade incluiu os nomes de Ruy Carlos de Camargo Vieira para Presidente, Rubens Crivellaro para Secretário e Rui Corrêa Vieira para Diretor-Executivo, que foram eleitos por aclamação.

 

Posse da Diretoria e programação das atividades

 

Dentre os associados fundadores, a maioria se destacou no desenvolvimento futuro das suas atividades, sob diversas maneiras, de forma bastante efetiva. Alguns associados fundadores não residem em Brasília, mas assim mesmo continuam prestando seu apoio à Sociedade, como os que residem em São Carlos (Francisco Batista de Mello, Nahor Neves de Souza Jr. e Humberto Paulo Ricci), em São Paulo (Erich Olm, Urias E. Takatohi e Márcia Oliveira de Paula), em Engenheiro Coelho (Roberto Cesar de Azevedo e Juceli Moróz de Azevedo), em Londrina (Dalmácia Sandor), no Rio de Janeiro (Marcus Vinicius de Paula Moreira e Josué Nunes de Oliveira), em Sobral (Gerson Pires de Araújo) e até mesmo na Alemanha (Rivelino Verdier D. Montenegro).

 


PROGRAMA EDITORIAL DA SCB

 PRIMEIROS LIVROS

Desde o início informal de suas atividades, a SCB desejava publicar, além de sua “Folha Criacionista”, também livros de divulgação dos aspectos mais controvertidos envolvidos no confronto entre o Criacionismo e o Evolucionismo. Entretanto, apenas no fim da década de 1990 foi possível publicar (mediante parceria com a OSEC, como já mencionado), as traduções do livro de Jeffrey Burton Russell “Inventando a Terra Plana” e do livro de Fernando De Angelis “A Origem da Vida por Evolução – Um Obstáculo para o Desenvolvimento da Ciência”. A SCB em 1998 comprou os direitos autorais da editora do primeiro, e recebeu permissão do autor do segundo também em 1998 para traduzi-lo e publicá-lo no Brasil.

O contato da SCB com Fernando De Angelis iniciou-se com a descoberta casual de que o periódico criacionista intitulado “Proiezioni” era editado na Itália por ele, como Redator da “Associazione Culturale Evangelica Daniele Baltazzar”. Mediante troca de correspondência, estabeleceu-se profícuo interrelacionamento entre as duas instituições criacionistas e em seguida contatos pessoais no Brasil e na Itália.

 

Interrelacionamento entre a SCB e Fernando De Angelis

 

Interrelacionamento entre a SCB e Fernando De Angelis

 

Fernando De Angelis era católico e assistiu algumas reuniões evangelísticas realizadas na Toscana por voluntários norte-americanos que se dispuseram a passar temporadas na Itália para despertar o interesse na Bíblia e no Criacionismo. De Angelis e a esposa, depois de terem sofrido terrível acidente rodoviário, tornaram-se evangélicos e ele assumiu a liderança da pregação criacionista na Itália. Dentre aqueles voluntários estava o Dr. John Meyer, que posteriormente assumiu a direção do Van Andel Research Center da Creation Research Society, no Arizona, EUA, que foi o autor desse relato para a SCB.

A partir dos estreitos contatos mantidos entre a SCB e De Angelis, tendo cessado a publicação de “Proiezioni”, ele se aproximou de Romano Ricci, Presidente da União Italiana da Igreja Adventista e tornou-se grande colaborador dele na fundação da Associazone Italiana Studi sulle Origini, entidade criacionista que, impulsionada por De Angelis (que se inspirou na iniciativa da SCB) logo procedeu à edição italiana do livro “Evolução – Um Livro Texto Crítico”.

 



GUILHERME STEIN JÚNIOR

 

Voltando à programação editorial da SCB, lamentavelmente, desde a fundação da Sociedade em 1972 até a sua institucionalização em 2000, por limitações de tempo e de recursos, além dos dois livros acima mencionados, publicados com o auxílio da OSEC, só havia sido possível publicar os livros “O Sábado” e “Sucessos Preditos da História Universal”, de Guilherme Stein Jr. e três opúsculos de autoria do Presidente da Sociedade, já mencionados anteriormente.

O objetivo maior foi, desde o início, concentrar os esforços na recuperação da obra literária de Guilherme Stein Jr., cujo acervo havia sido cedido ao Presidente da SCB pela sua viúva, após o falecimento dele em 1957. Esse grande compromisso foi assumido com fé e convicção, de forma que aos poucos foi sendo feita a edição e a reedição de todos os livros de sua autoria, podendo já ser anunciada para este início de 2014 a publicação da última e mais densa e significativa obra inédita daquele pioneiro criacionista brasileiro, o segundo tomo de “O Tupi”, da série “A Origem Comum das Línguas e das Religiões”.

A vida e a obra de Guilherme Stein Jr. estão descritas em algumas das publicações de autoria do Presidente da SCB, e as edições e reedições de seus livros já foram consideradas, de passagem, logo no início do histórico dos livros criacionistas existentes em Português na década de 1950. Basta aqui mencionar que sua maior contribuição como pesquisador criacionista foi a trilogia sobre “A Origem Comum das Línguas e das Religiões”, a ser resgatada totalmente pela SCB agora no início de 2014 com a publicação de seu último livro inédito.

A SCB alegra-se de poder cumprir esse seu compromisso, embora mais de 50 anos após tê-lo assumido. A Deus seja a honra e a glória pela finalização e a publicação do trabalho de Guilherme Stein Jr.!

 

Vida e Obra de Guilherme Stein Jr. e a edição de seu último livro a ser publicado em 2014

 


TRADUÇÕES

A partir da institucionalização da SCB em 2002, foi sendo possível publicar crescente número de traduções de importantes livros criacionistas de autores estrangeiros. Seguem breves considerações sobre alguns deles.

Como já mencionado anteriormente, o principal desses livros foi “Evolução – Um Livro Texto Crítico”, traduzido e impresso no Brasil em 2002, mediante coordenação da SCB e apoio de três Universidades que se comprometeram a adquirir mais da metade da tiragem inicial de 2500 exemplares. A SCB pagou os direitos autorais e os royalties à Editora WEYEL e a editoração no Brasil seguiu o padrão do original alemão. O primoroso trabalho gráfico efetuado em Brasília pela Gráfica Qualidade levou-a a receber um dos mais cobiçados prêmios concedidos a editoras do parque gráfico brasiliense.

 

Contato em Mainz com Ulrich Weyel (da Editora WEYEL) e com uma das tradutoras do livro, Miriam Ackermann,

tia do webmaster da SCB, Marcus Vinicius de Paula Moreira,

Professora de Alemão para estrangeiros na Universidade de Heidelberg

 

Não deixa de ser interessante destacar que na Alemanha há um forte movimento criacionista, com importantes contribuições para a divulgação do Criacionismo mediante publicações diversas especialmente efetuadas pela sociedade congênere da SCB denominada “Wort und Wissen”, e também nas mostras do afamado Museu de Pré-História mantido pelo Dr. Joachim Scheven. Assim, não é de admirar que a SCB tenha escolhido outro livro publicado na Alemanha para traduzi-lo para o Português e incorporá-lo na sua linha editoria. Esse livro recebeu o título “Criação – Criacionismo Bíblico”, de autoria de Alexander vom Stein (que nada tem a ver com Guilherme Stein Jr.) e editado pela “Daniel Verlag”.

A edição brasileira foi traduzida e editorada no Brasil por uma equipe especial da SCB criada para esse trabalho, viabilizada pela generosa contribuição aportada pelo Dr. Erivan Paiva, associado fundador da SCB. O livro foi impresso na Alemanha e importado pela SCB em 2007. Devido à sua abrangência e à abordagem bíblica explícita, este livro mereceu a elaboração de um planejamento pedagógico, que está sendo executado pelo Professor Tarcísio da Silva Vieira, com vistas a torna-lo livro texto para a capacitação em Criacionismo.

 

Primeiro exemplar do livro

 

Outro importante livro publicado pela SCB foi “Em Busca das Origens – Evolução ou Criação?”, traduzido do Espanhol pela Sociedade. Como no caso do livro anterior, a SCB pagou os direitos autorais e os royaties à Editorial Safeliz, a editoração e a impressão foram feitas em 2002 na Espanha e os livros foram importados.

Esse livro foi adotado com sucesso pela SCB para a realização de seus cursos de capacitação em Criacionismo, seguindo um roteiro previamente elaborado para a orientação de sua leitura e estudo. Tem sido indicado também para ser usado em pequenos grupos de estudo, cuja formação tem sido incentivada pela SCB durante a realização dos Seminários “A Filosofia das Origens”.

A Sociedade tomou conhecimento da existência desse livro quando a associada fundadora da SCB, Dalmácia Sandor, voltou da Assembleia da Associação Geral da Igreja Adventista realizada no ano 2000 em Toronto com um exemplar da edição original em Espanhol. Após um exame rápido do livro, a SCB decidiu que seria prioritária a sua tradução para a impressão em Português.

Contatos mantidos então com a Editorial Safeliz (que até então estava sendo tratada pela SCB como entidade secular) revelaram a sua integração à rede mundial de editoras adventistas, e que até já havia traduzido e publicado em Espanhol um artigo do Presidente da SCB sobre Isaac Newton e as profecias bíblicas! Resultou, assim, como subproduto dos contatos mantidos em Madri com o Dr. José Rodriguez, Diretor da Safeliz, o honroso convite para o Presidente da SCB também proferir algumas palestras criacionistas em igrejas locais.

 

Contato com a Direção da Editorial Safeliz e palestras criacionistas em Madri

 

Com a recuperação dos livros escritos por Guilherme Stein Jr. foi aberta na Sociedade uma linha de publicações sobre a origem comum das línguas e das religiões, fortalecida com a publicação do livro de Luiz Caldas Tibiriçá “Estudo Comparativo do Japonês com Línguas Ameríndias” e com dois outros livretos escritos em 1998 e 1999 respectivamente pelo Presidente da SCB intitulado “Um Tronco Comum para os Idiomas?” e pelo próprio Luiz Caldas Tibiriçá intitulado “Dicionário de Raízes Primitivas – Edição Resumida”, já considerado anteriormente.

Ao chegar então ao conhecimento da SCB a edição original em Inglês do livro “Depois do Dilúvio – A História Antiga da Europa retrocedendo até o Dilúvio Bíblico”, de autoria de Bill Cooper, não foi possível deixar de dar prioridade à sua publicação. Procedida a sua tradução para o Português, foi ele então publicado em 2008. Dentro também dessa mesma linha, em 2011 foi publicado o livro de Ethel Nelson “Descoberta do Gênesis na Língua Chinesa”, já considerado anteriormente.

Bill Cooper é um renomado historiador britânico associado ao “Creation Science Movement”, sucessor do “Evolution Protest Movement”, a mais antiga sociedade criacionista do mundo moderno, como já mencionado no início deste histórico. Os diretos autorais para a publicação desse seu livro foram concedidos sem ônus para a SCB, visando a incentivar novas publicações para a divulgação do Criacionismo.

 

 

Em meados da “década do milênio”, a SCB iniciou contatos com a Science Research Foundation, entidade congênere situada na Turquia, que passou a se destacar como um das maiores do mundo em termos de publicação de livros e produção de vídeos em grande número de línguas. Sua peculiaridade é ter uma visão islâmica do Criacionismo, o que a diferencia das demais sociedades com as quais a SCB tem mantido contatos.

Dentre os livros por ela publicados, a SCB traduziu e publicou em formatação eletrônica “O Engano do Evolucionismo”, de autoria de Harun Yahya, e em papel os livros destinados ao público infantil “As Formigas” e “As Abelhas”, do mesmo autor. Outros livros estão já traduzidos, mas ainda em vias de publicação.

 

 

Dada a peculiaridade islâmica da Science Research Foundation, a SCB decidiu caracterizar sua parceria com a SRF nos termos do que constituiu o seu “Projeto Malba Tahan”, isto é, um projeto visando aproximar ambas as instituições em atividades comuns de disseminação das maravilhas da criação que apontam para o onipotente Criador, o Deus único reconhecido pelas religiões monoteístas.

Assim, além da tradução de livros, a SCB propôs-se a proceder a dublagens de excelentes filmes produzidos pela SRF, tendo para isso conseguido a devida autorização concedida mediante contrato formal assinado com a patrocinadora das produções dos filmes da SRF.

Foram, assim, dublados os vídeos que constituíram as duas séries que a SCB intitulou “De Olho nas Origens” e “De Olho na Criação”.

A série “De Olho nas Origens” contém quatro DVDs, cada um deles com quatro a cinco filmes com duração média de cerca de 15 minutos, versando sobre fatos interessantes na vida animal que evidenciam a existência de um Criador, e foi partilhada pela SCB com a “Novo Tempo”.

A série “De Olho na Criação” contém dez DVDs, cada um com a duração média de 50 minutos e também aponta evidências da existência de um Criador a partir da complexidade irredutível observada na natureza, enfatizando as maravilhas observadas na Criação. A dublagem dessa série foi narrada pelo Dr. Ronald Ozório, associado fundador da SCB.

 

 


Séries de vídeos da SRF dublados pela SCB

 

Outra importante parceria com a SRF foi a tradução e impressão de uma Coleção Temática de Cartazes Didáticos Criacionistas para serem utilizados em salas de aula como meios auxiliares de ensino. Foi preparada uma série de quatro cartazes para cada um dos sete temas básicos escolhidos, que podem ser impressos em tamanhos distintos e também formando álbuns para alunos e professores.

 

Coleção temática de cartazes didáticos

 

Como já mencionado anteriormente, a SCB passou também a produzir seus próprios DVDs para formar uma série que denominou “Do Ararate ao Araripe”, iniciando-a com o vídeo produzido por Rod Walsh sobre a Arca de Noé e o Dilúvio. Outros três DVDs produzidos pela própria SCB completaram a série, dando uma visão geral das várias ocorrências geológicas relacionadas com o Dilúvio.

Cronologicamente, o primeiro DVD (colocado como o quarto DVD da série) foi filmado por ocasião da excursão já mencionada realizada pela equipe da SCB à região da Chapada do Araripe, após a o IV Seminário “A Filosofia das Origens” em Fortaleza. O segundo foi filmado no Centro Cultural da Sociedade, apresentando uma aula do Professor Nahor sobre Geologia Diluvialista. E o terceiro foi filmado no Ministério de Ciência e Tecnologia em Brasília, apresentando uma entrevista realizada com o Dr. Hélio Barros, idealizador e propugnador do “Geopak do Araripe”.

 

Filmando a região do Araripe

 

Outra publicação que despertou bastante interesse foi a do livro “Em Seis Dias – Por Que 50 Cientistas Decidiram Aceitar a Criação”, de autoria de John F. Ashton, com quem a SCB manteve contato pessoal na Austrália por ocasião da participação comum em um Congresso Criacionista promovido pela “Answers in Genesis”, entidade australiana congênere da SCB.

O autor cedeu gratuitamente à SCB os diretos autorais para a publicação do seu livro em Português, efetuada em 2010. A tradução do livro foi feita por Ieda C. Tetzke, professora de Inglês colaboradora da SCB, com revisões técnicas de uma equipe de associados da Sociedade.

 

Presidente da SCB em contato com Dr. John Ashton

 

Mediante a aquisição de parte da tiragem do livro “Fé, Razão e História da Terra”, de autoria do Dr. Leonard Brand, docente da Loma Linda University e pesquisador do Geoscience Research Institute, traduzido e revisto pela equipe do NEO, a SCB contribuiu para a viabilização de sua publicação em 2005.

Em 2006, a SCB manteve contato com o Dr. Brand em seu gabinete na Loma Linda University para verificar a possibilidade de ser ministrada a distância a sua disciplina em nível de pós-graduação que tem o seu livro como livro texto.

 

 

A partir de então, após os necessários contatos feitos com a Direção Superior do UNASP, o Dr. Marcos Natal, Coordenador da Pós-graduação no UNASP, campus de São Paulo, passou a tomar as providências para a implantação desse curso, que poderá talvez ser iniciado neste ano de 2014, preenchendo todos os requisitos necessários para a validade do certificado a ser emitido para os participantes.

Certamente será essa uma iniciativa de longo alcance, abrindo as portas para novos cursos a distância, incluindo a capacitação em Criacionismo com a utilização do planejamento pedagógico para o livro-texto “Criação – Criacionismo Bíblico”, já mencionado, em final de elaboração pelo Professor Tarcísio da Silva Vieira.



MENÇÃO HONROSA FINAL

 

Este apanhado histórico sobre o Criacionismo no Brasil pretendeu focalizar principalmente as atividades da Sociedade Criacionista Brasileira em um nível macro, com informações sobre o seu desenvolvimento e relacionamento com entidades congêneres e numerosas pessoas que lhe têm dado valioso apoio.

Embora não tenha sido possível apresentar com mais detalhes muitos aspectos da colaboração prestada à SCB pelo verdadeiro exército de pessoas cuja participação, de forma diversificada, proporcionou o desenvolvimento da Sociedade, este apanhado não poderia deixar de terminar sem a inserção de uma especial Menção Honrosa à pessoa que mais se destacou, tanto no nível macro como no nível micro, durante toda a vida da Sociedade. Foi ela quem, na realidade, em linguagem popular, “carregou o piano” (aliás, essa pessoa é pianista e na música também toca mais sete instrumentos...).

Trata-se do atual Diretor-Executivo da SCB, a respeito de quem esta Menção Honrosa é redigida por mim, seu próprio pai, certamente por conhecer melhor do que ninguém todo o seu esforço despendido para o desenvolvimento da SCB durante todos os mais de 40 anos decorridos desde a criação da Sociedade.

O slide abaixo resume aspectos diversos de sua vida, desde o nascimento e primeiros anos de vida no Instituto Tecnológico de Aeronáutica em São José dos Campos, sua infância em São Carlos onde fez o curso primário, sua adolescência no Colégio Adventista Campineiro (hoje Campus do UNASP em Hortolândia) onde fez o curso secundário e parte do colegial, novamente em São Carlos onde terminou o curso colegial no Instituto de Educação Dr. Álvaro Guião e iniciou a sua colaboração com a SCB recém-fundada, e em Brasília onde terminou o curso de Engenharia Civil na UnB, e desde então continuou a participar das atividades da SCB cada vez mais intensamente.
   

Rui Corrêa Vieira, filho de Ruy Carlos de Camargo Vieira


Não sendo possível descrever todas as suas múltiplas atividades efetuadas durante mais de 40 anos relacionadas com o desenvolvimento da SCB, apenas algumas das mais relevantes atualmente serão discriminadas a seguir – gerenciamento de toda a correspondência com pessoas e entidades, revisão de todas as publicações efetuadas (livros, periódicos e vídeos), acompanhamento da atualização dos sites, supervisão de todos os trabalhos atribuídos à Secretária pela Diretoria, controle das contas bancárias, participação direta nos Encontros Semanais realizados no Centro Cultural e acompanhamento das visitações ao Centro nos fins de semana, condução de todos os preparativos necessários interna e externamente para a realização dos Seminários “A Filosofia das Origens”, apresentação de informações sobre a Sociedade e condução dos sorteios de brindes oferecidos pela Sociedade nesses Seminários.


Parodiando o texto bíblico, “sem ele, nada do que foi feito se fez”, e por esse motivo, entre outros, expresso minha gratidão a Deus pela família que me deu e particularmente por esse filho que sempre me acompanhou e foi meu braço direito em todas as atividades em que me envolvi tanto na vida acadêmica e profissional, como particularmente naquelas dedicadas à causa criacionista.

Ruy Carlos de Camargo Vieira

Presidente da Sociedade Criacionista Brasileira

Os dias atuais

Os dias atuais ... Em breve mais informações

Leia mais...

Em 2004 é inaugurada a Sede da SCB

Em 2004, ....

Leia mais...

Em 2012 realizamos nosso primeiro evento internacional

Em 2012 realizamos nosso primeiro evento internacional ....

Leia mais...

Em 2002 realizamos nosso primeiro evento oficial

Em 2002 realizamos nosso primeiro evento oficial, a saber, na cidade do Rio de Janeiro com o I Seminário Filosofia das Origens

Leia mais...

Nossa Sede

A Sociedade Criacionista Brasileira, após 32 anos, inaugura seu Centro Cultural em Brasília, no dia 2 de novembro de 2002.

 

 

 

 

 

Leia mais...

Em 2000 é criada formalmente a SCB

Em 2000, após ....

Leia mais...

Você está aqui: Home A SCB Institucional História